Home / Entretenimento / Cultura / Lazer / Orquestra leva jovens talentos da música da Bahia para França
Foto: Divulgação

Orquestra leva jovens talentos da música da Bahia para França

Do Alto da Colina, bairro do município de Conceição do Coité, no nordeste da Bahia, para uma altitude de 1.326 metros, onde fica a pequena Briançon, cidade mais alta da França. Essa foi a distância percorrida por 14 jovens da Orquestra Santo Antônio (OSA), que participaram de um intercâmbio cultural na Europa e tiveram a oportunidade de mostrar seus talentos em um concerto, especialmente voltado para o público da igreja local.
Com um repertório de músicas clássicas e brasileiras, a Orquestra Sinfônica, dirigida pela regente Dianara de Almeida Ramos, 22 anos, encantou os franceses, que aplaudiram o espetáculo durante 20 minutos. A apresentação, realizada na última sexta-feira (30), é o resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido pela instituição a partir do Edital de Mobilidade Artística da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), com financiamento do Fundo de Cultura.
Para Josevaldo Nim, co-fundador e diretor artístico da Orquestra Santo Antônio, o apoio da Secult é fundamental. “São 14 jovens que, em 10 anos, acessaram o ensino superior em música. Ao todo, temos cinco jovens que farão residência artística no exterior. O edital é importante e proporcionou que, em 2014, fôssemos até para Lisboa através da Secult. Outro grupo do projeto foi para o México, em 2017, levando uma mostra de instrumentos de sisal”, explica.
O maestro destaca ainda que o edital é uma forma democrática de acessar os recursos públicos voltados para a cultura. “Estamos felizes pela repercussão e acredito que o resultado disso beneficiará ainda jovens que sonham em virar músicos e ganhar o mundo com a música”, acrescenta.
No segundo ato, a Orquestra Sinfônica du Briançonnais se juntou aos brasileiros e, dirigida pelo maestro Dominique Togni, optou por Allegro Vivo de Georges Bizet. A última canção foi ‘Mourão’, de César Guerra Peixe, tocada com dois arranjos diferentes. Um mais clássico e outro mais agitado, dirigido por Dianara de Almeida Ramos.
Compartilhe: