Home / Entretenimento / Cultura / Lazer / Projeto CIDADE CEGA realiza exposição e bate papo no Espaço Xisto Bahia
Foto:Ili del Sur

Projeto CIDADE CEGA realiza exposição e bate papo no Espaço Xisto Bahia

O Espaço Xisto Bahia recebe, a partir de quarta-feira (11), duas exposições do projeto CIDADE CEGA, além de uma mesa de debates marcada para o dia 20 de abril. CIDADE CEGA éuma encenação de Carlos Alberto Ferreira, com o grupo teatral NOZ CEGO e a atriz/performer Milena Flick. O trabalho, que estreou em 2015 em Salvador, decorre de um questionamento sobre como construir a cidade, compreendê-la de uma forma diferente, extracotidiana, através de experiências sensoriais. CIDADE CEGA tem como objetivo investigar a potencialidade dos sentidos (tato, audição, olfato, paladar) como meio de percepção da cidade e provocar discussões voltadas à inclusão e acessibilidade (ou a ausência dela) nos espaços urbanos e públicos.

Com o projeto CIDADE CEGA, Paris, 2017, a encenação realizou sua segunda temporada na capital francesa com o apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia. As atividades são complementares deste projeto, que convida a cidade de Salvador para compartilhar dos frutos dessa viagem e da intensa experiência vivenciada pela equipe.

No último dia 03 de abril  foi realizada a primeira etapa dessas atividades, que contou com a Oficina de Prática e Experimentação Sensorial ministrada por integrantes do projeto na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, com ênfase no público infanto-juvenil e segue com a programação de atividades para este mês.

Exposição Sensorial dos figurinos – Os figurinos de Cidade Cega funcionam como instalações vivas, são em si mesmo obras de arte plásticas, tridimensionais e multissensoriais, especialmente elaborados por Leonardo Teles. Luz, sonoplastia e o próprio cenário são arquitetados nessa criação. Os figurinos exalam fragrâncias, produzem sons com a movimentação dos atores, possuem texturas diferenciadas e especificamente criadas para que o público possa percebê-los através do tato, agregando complexidade à obra. Além disso, possuem elementos estéticos que incorporam os tempos (presente, passado e futuro) e a contaminação de elementos (natureza, concreto e metal). Nessa exposição, o público em geral poderá apreciar o trabalho de Leonardo Teles e, o público vidente será convidado a conhecer o figurino de uma forma não convencional ao suprimir temporariamente a visão (através de vendas disponibilizadas). Especialmente no dia 11 de abril, data da inauguração da exposição, a partir das 14h, a instalação será acionada com todos os seus elementos e os visitantes serão guiados nessa experiência por atores do grupo Noz Cego.

Exposição de fotos das duas temporadas – As fotos de Ingrid Lago, que registrou com grande sensibilidade a primeira temporada de Cidade Cega, realizada na Praça Campo Grande, em Salvador, serão expostas ao lado de uma incrível seleção de fotos da segundatemporada da encenação em Paris de autoria de Ili del Sur. Também na data de inauguração da exposição, 11 de abril, os visitantes com deficiência visual contarão com uma visita guiada por membros da equipe do projeto Cidade Cega, Paris, 2017, que acompanharão o grupo para realizar as descrições das fotos e compartilhar um pouco de sua experiência.

Bate-papo – Teatro, Acessibilidade e Intercâmbio Cultural  – Com mediação de Cristina Oliveira Gonçalves, o encontro contará com a participação do grupo teatral Noz Cego e de demais integrantes do projeto Cidade Cega, Paris, 2017, além do encenador Carlos Alberto Ferreira. Na mesa, uma conversa sobre os temas que será aberta para participação do público, que poderá propor questões para o debate e agregar suas impressões sobre o projeto e as exposições realizadas. O encontro acontece no dia 20 de abril, Espaço Xisto, às 14h.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamenteculturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais. Para mais informações, acesse: www.cultura.ba.gov.br

 

 

Equipe:

Grupo teatral NOZ CEGO: Claudio Marques, Cristina Gonçalves e Gilson Coelho

Milena Flick: produtora, oficineira e curadora

Leonardo Teles: figurinista e artista gráfico

Ingrid Lago: fotógrafa e curadora

Ili del Sur: fotógrafa

Daddi Limah: assistente de produção

Carlos Alberto Ferreira: encenador de Cidade Cega

Serviço

CIDADE CEGA

Exposição Sensorial e Exposição de Fotos

Quando: 11 a 25 de abril

 

Bate Papo – Teatro, Acessibilidade e Intercâmbio Cultural 

Quando: 20 de abril (sexta-feira) às 14h

Onde: Espaço Xisto Bahia

Endereço: Complexo Cultural dos Barris – Rua General Labatut, 27 – Barris (Subsolo do prédio da Biblioteca Pública do Estado da Bahia).

Aberto ao público

Compartilhe: