Home / Notícias / Programa Mobilidade Salvador avança integrando a cidade e facilitando a vida de baianos e turistas

Programa Mobilidade Salvador avança integrando a cidade e facilitando a vida de baianos e turistas

Quem vive em Salvador vem testemunhando a transformação na mobilidade urbana na quarta maior cidade do País. Diariamente, cerca de três milhões de moradores, além dos visitantes, se deslocam para estudar, trabalhar e passear. Hoje, baianos e turistas já podem utilizar o metrô para ir da Estação Mussurunga até a Lapa em 30 minutos, por exemplo, sem pegar engarrafamentos e no conforto do ar condicionado. Quem vai de carro ou ônibus para a Cidade Baixa pela Bonocô não precisa mais concorrer com os caminhões e carretas que vão e vêm entre o porto e a BR-324, deslocados para a Via Expressa.

Neste sábado (3), mais um capítulo será escrito com a entrega da via que fará a conexão entre as avenidas Pinto de Aguiar e Gal Costa até a rótula próxima à Ladeira do Mandu. A ligação faz parte da Linha Azul, na qual estão sendo investidos um total de R$ 647 milhões. As Linhas Azul e Vermelha são os nomes dos dois grandes corredores transversais que estão sendo construídos para, literalmente, atravessar Salvador ligando a orla atlântica aos bairros do subúrbio. Quando estiverem concluídos, os dois projetos vão somar 32 quilômetros e terão grande impacto positivo na mobilidade de Salvador e acesso às cidades ao seu entorno. O investimento nos dois trechos é de R$ 1,4 bilhão.

De acordo com a superintendente de Mobilidade, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado (Sedur), Grace Gomes, os estudos estratégicos do planejamento da mobilidade da Região Metropolitana de Salvador apontaram que havia uma saturação de tráfego nas vias principais de chegada à capital, ou seja, na BR-324 e na Avenida Paralela. “Havia muitos engarrafamentos e tempo gasto pelas pessoas. Diante do planejamento, nós tínhamos que trabalhar em duas grandes áreas, a da circulação viária e a do transporte público. No caso do transporte, o Governo do Estado fez a concessão e a construção do metrô, dando um novo modelo de transporte público de qualidade e com segurança. Hoje, temos melhor tempo e conforto e as pessoas têm a possibilidade de deixar de usar carros, desafogando o trânsito”.

Na área de circulação, segundo Grace Gomes, um dos principais problemas era como ligar uma área à outra da cidade, transversalmente, porque todo o tráfego passava pela região do Iguatemi, onde havia grandes engarrafamentos. “Então, o Governo do Estado começou a fazer intervenções para que as pessoas transitassem entre as orlas da Baía de Todos os Santos e a Orla Atlântica sem precisar passar pelo Iguatemi. Foram pensados estes dois grandes corredores, que estamos chamando de linhas Azul e Vermelha, além de outras intervenções, como viadutos e túneis. Estes dois corredores vão melhorar não apenas o tráfego em Salvador, mas em toda a região metropolitana, pois quem chegar à capital vai poder se distribuir pelos diversos bairros sem ter que passar pelo centro da cidade e sem causar engarrafamentos.

Grace Gomes enumerou outras grandes intervenções. “Para que o metrô pudesse passar na Avenida Paralela, nós tivemos que pensar soluções de acessibilidade de pessoas e veículos de um lado para outro da avenida. Para isso, construímos alguns viadutos e inúmeras passarelas, começando pelo Complexo do Imbuí, que foi o primeiro a ser feito. Temos também o Viaduto de Narandiba, mais para frente temos o da Ferreira Costa, o da frente do Shopping Paralela e também o que sai de Stella Maris, além dos novos viadutos na região do Aeroporto. Em Lauro de Freitas, entregamos recentemente o viaduto na Avenida 2 de Julho. Tudo isso buscando facilitar a fluidez, acabar com os engarrafamentos e diminuir o tempo de viagem das pessoas. Temos ainda a Via Barradão, entregue recentemente para facilitar o acesso dos moradores dos bairros à Avenida Paralela”.

A superintendente explicou que a abertura de novas vias traz possibilidade de novas frentes de desenvolvimento para a cidade. “Para os moradores das regiões onde essas novas vias são abertas, elas são uma nova forma muito mais facilitada de se chegar em casa, ao seu bairro. Para a cidade, é um novo tipo de uso do solo que, inclusive, o município precisa cuidar para que seja organizado e as pessoas não invadam e atrapalhem essa acessibilidade”.

Linhas Vermelha e Azul

Os dois corredores transversais, assim como a ampliação do sistema metroviário, são as maiores obras de mobilidade em execução pelo Governo do Estado na capital. Os dois corredores somados envolvem investimentos da ordem de R$ 1,47 bilhão. Com 12,7 quilômetros de extensão, a Linha Azul ligará os bairros de Patamares e Lobato através da duplicação e ampliação da Avenida Pinto de Aguiar, já concluída, da duplicação da Avenida Gal Costa e da implantação da via de ligação Pirajá – Lobato. No total, a Linha Azul contará com oito túneis.

Já a Linha Vermelha terá 20 quilômetros de extensão, por onde estarão distribuídos seis viadutos, pontes, calçada, ciclovia e pista dupla com três faixas cada; uma delas exclusiva para o transporte público e, assim como na Linha Azul, integrando-se ao metrô. O investimento previsto total é de R$ 831,5 milhões, finalizando a ligação da Avenida Orlando Gomes até Paripe (Estação São Luís). As novas rotas beneficiarão, diretamente, moradores em bairros como Trobogy, Mussurunga, Bairro da Paz, Jardim Nova Esperança, Águas Claras e Cajazeiras.

Parte do conjunto de vias estruturantes da Linha Vermelha, a duplicação dos 3,5 quilômetros da Avenida Orlando Gomes foi inaugurada em 2016 e faz ligação da Avenida Paralela ao bairro de Piatã. Também fazem parte desses corredores os novos viadutos sobre a Paralela (nas imediações do Bairro da Paz), o sistema viário BR-324-Águas Claras e um novo sistema viário de acesso à Estação Pirajá (Metrô/Ônibus), incluindo um viaduto sobre a BR-324.

O diretor de obras estruturantes da Companhia de Desenvolvimento do Urbano (Conder), Sérgio Silva, informa que será entregue neste sábado o trecho da Linha Azul que liga as avenidas Pinto de Aguiar e Gal Costa, por passagem subterrânea. “Depois vamos entregar a etapa 1, que é a ligação com o Lobato, em Pirajá, beneficiando diretamente a população do Subúrbio. E no miolo, entre Pirajá e este trecho que estamos entregando, ainda tem toda a Avenida Gal Costa, que está sendo duplicada. As vias terão pistas duplas, passeios de ambos os lados, canteiro central, ciclovia e uma faixa exclusiva para transporte de alta capacidade. A Linha Vermelha, outro corredor transversal, será a ligação da orla de Piatã até a BR, nós já entregamos a Orlando Gomes totalmente duplicada, entregamos o trecho de Águas Claras, e estamos trabalhando no trecho entre as avenidas Paralela e Regional”.

A primeira grande intervenção do programa foi entregue ainda em 2008, com a conclusão do Sistema Viário 2 de Julho, construído próximo ao aeroporto, na divisa entre Salvador e Lauro de Freitas. A obra cumpriu o prazo estipulado no cronograma e surpreendeu por ter custado R$ 29 milhões, quatro milhões a menos do que o orçamento previsto, de R$ 33 milhões. Em 2013, a Via Expressa retirou os caminhões da Bonocô. Com 4,3 quilômetros, ligando a rodovia BR 324 ao bairro do Comércio, passam pela Via Expressa mais de 60 mil veículos/dia. O investimento total na obra foi de R$ 480 milhões, para a construção das dez faixas (quatro para veículos de carga, quatro para veículos leves e duas para ônibus), além de três túneis e 14 viadutos.

Com total de 42 quilômetros de extensão, 23 estações e dez terminais de ônibus integrados, as obras do Sistema Metroviário Salvador e Lauro de Freitas estão em fase de conclusão. O metrô já fez a viagem teste até a estação Aeroporto. Atualmente, a Linha 1 é composta por oito estações em operação, 12 quilômetros de extensão, que vai da Estação Lapa à Estação Pirajá. A Linha 2, com 12 estações, está concluída até a Estação Mussurunga.

Compartilhe: