Home / Notícias / Em sete anos, BCS do Calabar já atendeu 1,6 mil pessoas
Fotos: Daniele Rodrigues/GOVBA

Em sete anos, BCS do Calabar já atendeu 1,6 mil pessoas

Fundada em 2011, a Base Comunitária de Segurança (BCS) Calabar transformou a vida de crianças, adolescentes e adultos por meio de projetos sociais. Cerca de 1,6 mil pessoas foram atendidas nos projetos da unidade, entre eles os esportivos, com alunos campeões baianos de boxe e judô, e os educacionais, com jovens aprovados no concurso público da Polícia Militar.

Atividades esportivas, música e educação são as principais ações da unidade de policiamento comunitário. Os projetos ofertados durante esses sete anos são o Luta Cidadã (boxe, judô, jiu-jitsu, luta olímpica e capoeira), Primeiro Som, Educação de Base, Base.net, Proerd, Melhor Idade, Bombeiro Civil Mirim, Inglês, Cursinho Preparatório para Concurso da Polícia Militar e Fitdance.

O soldado Cléber Reis da Silva, professor de judô, foi o primeiro a desenvolver um projeto na unidade. “Ao longo desses anos, já tivemos grandes campeões no esporte. A sensação é de dever cumprido. Trazer uma nova realidade de vida para essa meninada é gratificante”, contou o militar, lembrando que tem dois alunos competindo entre os favoritos do circuito baiano de judô 2018.

A sargento Kelle Pereira Xavier, lotada na BCS desde a inauguração, já presenciou muitas vidas transformadas com os projetos. “Quando chegamos aqui, sentimos de perto a necessidade de promover ações. Fomos conquistando a população aos poucos e hoje temos uma relação muito incrível com todos”, ressaltou.

Ainda segundo ela, trabalhar na BCS é criar laços. “Vejo jovens que chegaram aqui crianças e hoje já estão se inserindo no mercado de trabalho, estudando, evoluindo de maneira incrível. É um trabalho de formiguinha, mas estamos colhendo bons frutos. Olhar ao longo desses sete anos e ver tanta criança se afastando das drogas por causa de nossas ações é uma sensação única”.

A comandante da BCS, capitã Aline Muniz, chegou na unidade há pouco tempo, mas se diz realizada. “Tenho um ano e três meses e estou cada vez mais feliz vendo nossa evolução. Os desafios são grandes contra o tráfico de drogas, mas estamos ganhando vidas e transformando essas pessoas, dando oportunidade”, salientou.

Compartilhe: